segunda-feira, 27 de julho de 2015

Número de católicos diminui 26%, no Brasil

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v62), quality = 95
Adicionar legenda
O catolicismo ainda é a maior religião brasileira, seguida por seis em cada 10 pessoas no país, mas encolheu 26% nos últimos 25 anos, segundo uma pesquisa da agência Hello Search. Segundo o levantamento, atualmente 57% dos brasileiros são católicos – em 1991, ano da visita do papa João Paulo 2º ao país, eram 83% na medição do Censo. Em contrapartida, as religiões evangélicas ganharam muitos fieis. Em 2015, os pentecostais, corrente que reúne a Igreja Universal e a Assembleia de Deus, atingiram 16% de simpatizantes, enquanto os não pentecostais, como a Igreja Luterana e Calvinista têm 9%. Em comparação, no ano 1991 os dois grupos somados não passavam de 9%. Entre entrevistados que declararam não ter religião o índice foi de 12%, com maior representatividade entre os jovens de 16 a 24 anos. Os simpatizantes do Espiritismo, Umbanda e “Outras Religiões” possuem 2% cada. Já Candomblé e outras religiões afro-brasileiras têm apenas 1%. A agência ouviu mil pessoas de 70 cidades de todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais e o índice de confiança é de 95%. - See more at: http://plantaoitabuna.com.br/numero-de-catolicos-diminui-26-no-brasil/#sthash.Y18a0bEO.dpuf

Dólar sobe nesta segunda-feira, após chegar a R$ 3,38

O dólar avançava pela quarta sessão consecutiva nesta segunda-feira (27), renovando a máxima intradia em mais de 12 anos, pressionado pela apreensão dos investidores com as perspectivas fiscais do Brasil e pelo tombo da bolsa chinesa.Perto das 10h50, a moeda norte-americana tinha alta de 0,3%, a R$ 3,3571 na venda. Veja cotação. Na máxima da sessão, a moeda norte-americana subiu 1,06%, a R$ 3,38, maior nível intradia desde 31 de março de 2003, quando foi a R$ 3,39, segundo a agência Reuters.
"O dólar diminuiu as altas, mas é um movimento passageiro, um pequeno ajuste depois de altas relevantes nas últimas sessões. Particularmente, eu acredito que (a moeda norte-america) rompe o patamar de 3,40 reais", afirmou a operadora de um banco nacional, que pediu anonimato.Na quarta-feira passada, o governo reduziu suas metas fiscais para este e os próximos dois anos, abrindo brecha inclusive para déficit primário em 2015. A decisão surpreendeu e decepcionou investidores, que entenderam a manobra como sinal de menor comprometimento com o reequilíbrio das contas públicas e temem que o Brasil possa vir a perder seu grau de investimento.
A reação no mercado cambial foi imediata, com fortes altas da moeda norte-americana, que acumularam 5,48% nas três sessões anteriores.
"Com a atividade ruim, a inflação alta e as mudanças nas metas fiscais, o Brasil está caminhando para uma crise de credibilidade", afirmou o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva Filho.
Nos mercados externos, o tombo de mais de 8% da bolsa chinesa, o maior desde 2007, trouxe de volta aos holofotes a desaceleração da segunda maior economia do mundo, que é um importante parceiro comercial do Brasil. O dólar avançava em relação às principais moedas emergentes, como os pesos chileno e mexicano, mais sensíveis ao tema.
"A China é uma referência para quem investe em emergentes. Se a bolsa lá piora, o investidor também fica com um pé atrás para investir aqui", disse o superintendente de câmbio da corretora Tov, Reginaldo Siaca.
Operadores também seguiam atentos às intervenções do Banco Central no câmbio, à espera de sinalização sobre qual fatia dos swaps cambiais, equivalentes a venda futura de dólares, que vencem em setembro, será rolada. Mais tarde, o BC dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em agosto, com oferta de até 6 mil contratos.

Na sexta-feira (24), o dólar fechou em alta, após ultrapassar a barreira dos R$ 3,35, ainda refletindo preocupações com os riscos ao grau de investimento brasileiro. A moeda norte-americana subiu 1,55%, cotada a R$ 3,3470 na venda.

Foi o maior patamar de fechamento desde 31 de março de 2003, quando ficou em R$ 3,355. Na semana passada, o dólar subiu 4,79%. No mês e no ano, há alta acumulada de 7,66% e 25,89%, respectivamente.

Médicos mostram a rotina de atendimento a moradores de rua

Quem vive nas ruas muitas vezes se acostuma a ser ignorado, evitado por quem passa. É uma população invisível que perambula pelas cidades. Mas você vai conhecer os profissionais que decidiram quebrar essa barreira: olhar para essas pessoas, estender a mão para elas.
O Fantástico acompanhou o dia a dia das equipes de um projeto dedicado a atender moradores de rua pelo Brasil. Um trabalho que tem como objetivo colocar em prática a principal missão da medicina: aliviar o sofrimento humano.
Você consegue enxergar quem não está protegido no conforto de uma casa? Você consegue ver? Olhar para aqueles que passam invisíveis é a profissão e o propósito da Valeska.
Morador de rua: Você é assistente social?
Valeska Antunes, médica do Consultório na Rua: Não. Eu sou médica. Eu não faço caridade. No meu trabalho, de fato, nós somos funcionários públicos. Recebemos devidamente o salário por isso. Sou médica de família e comunidade

Às vezes, a Valeska só precisa mostrar que seus pacientes são como outros quaisquer. “A gente acha que é importante que elas possam sentir que elas têm direito a acessar o serviço de saúde. Porque a gente percebe que uma das coisas é que as pessoas acham que elas não pertencem a esse lugar”, conta Valeska Antunes.
“Vamos com a gente lá agora e aí a gente já faz de uma vez. E aí eu já dou o remédio para você todo lá. Deixa eu me lembrar das outras coisas que a gente tinha deixado pendente”, diz Valeska ao conversar com uma moradora de rua.
A mudança para a Fran começou com um toque: “Ela é uma ótima médica. Porque ela te olha. Ela te cuida, diz Franciane da Cruz, moradora de rua.
“Ela já é diferente. Ela te toca. Ela dá esperança para a gente de novo”, diz Franciane.
O consultório na rua é um projeto de responsabilidade das prefeituras e financiado pelo Ministério da Saúde.
“Nos últimos dois anos, foram feitos mais de 140 mil atendimentos pra população em situação de rua, apenas considerando os consultórios na rua. No Brasil hoje, existem mais de 140 consultórios na rua em funcionamento. Esses consultórios, eles estão instalados em mais de 80 cidade no Brasil”, diz Eduardo Melo, diretor do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde.
“Mas o número ainda é muito pequeno. Nós precisaríamos, pelo menos, de um consultório em cada município. E para aqueles municípios que têm mais de 300 mil habitantes, nós precisaríamos, pelo menos, de cinco nesses municípios. Nós acreditamos que já passe mais de 500 mil pessoas em situação de rua no Brasil inteiro”, diz Maria Lucia Pereira, coordenadora do Movimento Nacional de População de Rua.
“É importante se atingir essa camada da sociedade que é invisível aos olhos”, diz Césio.
O Césio trabalha em uma das equipes do projeto Consultório na Rua, na periferia do Rio de Janeiro.
“As doenças de pele são comuns, os traumas também são comuns e uma luta que a gente tem, que é vencer a tuberculose. O grande grupo se concentra entre 20 e 40 anos. A gente pacientes até de 70 anos”, explica Césio. 
Césio trabalha em outra equipe do projeto ‘Consultório na Rua’, na periferia do Rio de Janeiro.
“Afrodescendentes e predominam os homens”, diz o médico do Consultório na Rua Césio Sotero.
Um conflito familiar empurrou Seu Hugo para a rua. E ele não vê mais motivos para sair de lá.
Hugo Alberto da Silva, morador de rua: Tem problema não. Pode furar. Pode furar?
Césio Sotero: Seu açúcar está muito alto.
Hugo Alberto da Silva: Mas o senhor sabe o que é? É que eu como muito açúcar.
Césio Sotero: E não toma remédio não?
Hugo Alberto da Silva: Tomo remédio nenhum. Eu corro de remédio.

“Esse respeitar esse tempo de cada um é importante. Até que chega um tempo que ele diz assim: ‘você pode cuidar de mim?’”, conta Césio.
Até um tempinho atrás, o Anderson pouco se importava com o presente e não acreditava no futuro.
“A droga, ela me tirou da minha casa. Eu vivi na rua praticamente dois anos e pouco. Eu não tinha onde dormir. Eu não tomava banho. Aí eles chegaram lá e me abraçaram como se fosse uma pessoa da família deles. Graças a Deus eu não uso mais nenhuma droga”, conta Anderson Sá Vieira, ex-morador de rua.
Tratar uma ferida grave na coxa foi o início de uma transformação. “Em uma das consultas com ele, ele veio falando: ‘Ah, Paola. Eu sou analfabeto e eu gostaria de aprender a ler e a escrever”, conta Paola Guimarães, terapeuta ocupacional do Consultório na Rua.
“Começou com esse abraço e esse abraço, que eles me deram, me levou para melhor”, diz Anderson.
O consultório na rua já existe há 3 anos. E foi inspirado em um projeto criado por um professor da Universidade Federal da Bahia, o doutor Nery. “A primeira experiência de consultório de rua foi em 1995. Eu propus aos meus colegas organizar um carro com médico, enfermeiro, assistente social, com psicólogo e com trabalhador social, e irmos para a rua ver essas pessoas”, conta Antônio Nery Filho, médico do Consultório de Rua.
Fantástico: Você pode ser considerado um médico diferente? A atuação, a forma como o senhor trabalha?
Antônio Nery Filho, médico do Consultório de Rua: Eu acho que sim. Eu acho que a medicina tradicionalmente afastou dessa perspectiva de acolher o outro na sua integralidade, sobretudo no seu sofrimento.

Um consultório sem portas, janelas, sem paredes, pode surgir em qualquer lugar.
“A gente vai atender as pessoas onde a vida acontece. No momento que a gente está ali, diante dela e a gente se coloca diante delas e olha nesse momento você é a pessoa mais importante. A gente acredita que algumas pequenas revoluções se dão naquele encontro. E é nisso que a gente aposta. A gente faz pequenas revoluções cotidianas”, diz a psicóloga do Consultório de Rua, Alessandra Tranquilli.
“Primeiro se aproxima, vê como é que são as coisas, dá um bom dia, oferece algum serviço, e a partir daí as pessoas vão acreditando em você, construindo um vínculo com você”, acredita o médico Césio Sotero. 
“O trabalho formiguinha, dar o remédio, o comprimido na mão, supervisionar aquela medicação que ele está tomando diariamente é uma garantia que se tem de que aquele tratamento que foi iniciado terá um termino com sucesso”, explica Césio.
“Esse doutor mesmo, eu gosto dele à pampa. Porque ele é bom, trata a gente bem. Quando a pessoa é a boa a gente tem que ser bom com a pessoa”, afirma o morador de rua, Hugo Alberto da Silva.    
Como prometido, a equipe de Salvador voltou para ajudar a mulher com suspeita de tuberculose a conseguir um atendimento no hospital.

“Por enquanto nada de atendimento. Só atende paciente se for para UTI. Não tocaram nela. Verificou só a pressão arterial e disse que é para ir para outra unidade. Aqui não tem atendimento. A maior dificuldade que a gente tem é essa. Você pega o paciente, traz para as unidades de saúde. Chega aqui e a gente não consegue o atendimento nas unidades. Eu já ouvi de um médico dizer: porque você não levou primeiro para dar um banho? Dava um banho e trazia a paciente para eu atender”, afirma Tiago Moisés, psicólogo do Consultório de Rua.   

“Experimentar essa exclusão. Essa violência cotidiana que eles vivem é muito difícil”, diz Alessandra Tranquilli, psicóloga do Consultório de Rua.
“Conseguimos o atendimento para ela, mas a gente sabe pelo dia a dia que acelerou muito por causa de vocês aqui”, acredita o psicólogo do Consultório de Rua, Francisco Carlos Cunha. 
“É possível mudar. É possível levar um pouquinho para esse povo. E isso é muito bom, ora. É muito bom”, afirma Césio Sotero.
“Eu entrei para a casa de recuperação e todo o dia eu venho porque eu não gosto de perder nenhuma aula. Isso aí é o que eu não consegui fazer na minha infância. Agora graças a Deus eu realizei meu sonho. Quando eu vi que já estava conseguindo ler: eu me senti gente. Eu me senti gente. Eu me senti sábio. Tudo o que aconteceu na minha vida eu agradeço ao Consultório de Rua. Tudo de bom que aconteceu na minha vida eu agradeço a essas pessoas do Consultório de Rua”, diz o ex-morador de rua Anderson Sá Vieira.
“Meu projeto agora eu queria, no momento, alugar minha casinha, arrumar um trabalho e se Deus quiser, ser uma veterinária. Hoje mesmo teve uma cachorrinha, que foi atropelada, e a gente teve que acabar dando ela para um moço senão ela ia acabar morrendo aqui. É bom a gente salvar os animais. Tem muito aí jogados na rua”, afirma a moradora de rua Franciane da Cruz.
O Sol se põe, mas para esses profissionais o dia está longe de terminar
“Desistir? Foram poucas vezes. Mas acho que já aconteceu”, diz a médica Valeska Andrade.
“Mas eles podem desistir. Quem não pode desistir somos nós, diz Césio. 
“A gente volta para casa mas o pensamento ainda continua lá no campo porque você diz: ‘Meu Deus e essas pessoas?”
“Em resumo, eu não diria que o nosso trabalho de rua visa salvar as pessoas. Mas visa torná-las visíveis. Reconhecê-las como cidadãs essas pessoas”, afirma
“Eu estou feliz por causa de que, né? Eu estou feliz. Eu revivi de novo. Eu sou outro Anderson. O Anderson velho já morreu. Agora eu sou Anderson Sá Vieira”, afirma.

Pan-Americano: Brasil perde para Argentina e fica com a prata no vôlei

Pan-Americano: Brasil perde para Argentina e fica com a prata no vôlei
Foto: Time Brasil / @TimeBrasil
Os principais jogadores da seleção brasileira, como Murilo, Bruninho e Lucarelli, disputaram a fase final da Liga Mundial e desfalcaram o Brasil no Pan-Americano. Ausências que fizeram muita falta, principalmente na noite deste domingo (26), na decisão contra os argentinos. Os hermanos saíram na frente e venceram o primeiro set. O Brasil reagiu, venceu os outros dois e esteve muito próximo de conquistar mais uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos, o que não aconteceu. Os brasileiros demonstraram muito nervosismo e cometeram inúmeros erros ofensivos. Bom para Argentina que acordou na partida, venceu os últimos dois sets e conquistou a medalha de ouro por 3 sets a 2, com parciais de 25-23, 18-25, 19-25, 25-23 e 15-8.

Homens são baleados em Eunápolis após pegar carona com um desconhecido

Homens são baleados em Eunápolis após pegar carona com um desconhecido
Trecho da BR-367 | Foto: Reprodução / Youtube
Após pegar carona com um desconhecido, dois homens acabaram baleados na BR-367, na cidade de Eunápolis, no sul da Bahia, neste sábado (25). De acordo com o G1, dois homens – que não tiveram as identidades reveladas – saíram de uma festa e após pegar carona em um Corolla branco, foram vítimas de uma tentativa de assalto. O veículo foi interceptado por três criminosos e capotou após ser atingido por tiros. O condutor do Corola conseguiu fugir a pé pela mata e os dois caronas foram baleados pelos criminosos, que chegaram a descer do Uno. Eles foram socorridos para o Hospital Geral de Eunápolis e o estado de saúde é desconhecido.

Moradores de São Marcos recebem 600 títulos de terra


A aposentada Clemildes Couto da Cruz, 81 anos, realizou um sonho. Depois de esperar por mais de 40 anos, ela finalmente recebeu, na manhã de ontem, o documento que garantia a posse do terreno onde sua casa foi construída, na comunidade Coroado, no Conjunto ACM, no bairro de São Marcos.Ao todo, 600 moradores do bairro receberam no sábado (25) os títulos de posse dos terrenos onde residiam. A entrega, realizada pelo prefeito ACM Neto, faz parte do programa Casa Legal, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Defesa Civil (Sindec) com o intuito de regularizar habitações construídas em terrenos públicos.Para o prefeito ACM Neto, a entrega teve um significado especial, já que muitas famílias beneficiadas pela regularização haviam recebido suas residências na década de 70, através de uma iniciativa do então governador do estado Antonio Carlos Magalhães.“Há 45 anos, meu avô concedeu as casas para essas famílias. Essas famílias passaram 45 anos esperando o título de propriedade e agora Deus quis como prefeito que eu pudesse entregar esse título. Foi um momento muito especial”, contou o prefeito.Emocionada, Clemildes disse que iria repetir, com o prefeito, um gesto que ela teve com o avô dele no momento em que recebeu das mãos do então governador as chaves de sua casa, em 1971.“Naquela época, quando fui agradecer a seu avô, ele me pediu que rezasse por ele, pelos amigos e pelos inimigos dele. E hoje faço a mesma coisa contigo”, disse. Segundo o prefeito, até o final de 2016 serão entregues mais de 40 mil títulos de terra.

Bancos projetam prolongamento de recessão para o ano que vem


A recuperação da economia brasileira deverá ser realmente lenta. As projeções feitas por bancos e consultorias já têm apontado uma retração mais forte do que a prevista para 2015 e uma recessão para o ano que vem. A última destas previsões foi feita pela equipe de economistas do banco Credit Suisse.A instituição financeira revisou sua projeção de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano de 1,8% para 2,4%. Também foi revista a projeção para 2016. Antes, a previsão era de um crescimento de 0,6%. No relatório da sexta-feira (24/7), a projeção para o PIB de 2016 virou uma recessão de 0,5%.“Essa seria a primeira vez desde 1930-1931 que o país teria uma recessão por dois anos consecutivos”, destacaram no documento os economistas do banco. Naquela época, a economia mundial sofria os efeitos da Grande Depressão de 1929. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o PIB, naquele período, recuou 2,1% em 1930 e 3,3% no ano seguinte.No cenário traçado pelos outros bancos, o Itaú também prevê recessão para 2016 – a economia deverá encolher 0,2%. O Bradesco prevê estagnação para o ano que vem, e o Santander, um pequeno crescimento de 0,1%.Para a equipe do Credit Suisse, a dinâmica dos principais indicadores de atividade, como o IBC-Br (do Banco Central), por exemplo, indica que o PIB deve sofrer uma significativa contração no 2º trimestre.
Correio*

Oito mortos durante ação policial em Porto e Cabrália


Subiu para oito o número de mortos na operação conjunta que polícia realiza desde a manhã deste domingo (26) em Santa Cruz Cabrália e Porto Seguro. Pela manhã, seis homens, acusados de integrarem a facção criminosa MPA, já haviam sido mortos em Cabrália. Nesta ação, os policiais apreenderam um fuzil AK-47, pistolas, revólver e coletes à prova de bala. À tarde, outros dois suspeitos foram mortos em Pindorama, no município de Porto Seguro. Eles chegaram a ser trazidos para o Hospital Regional de Eunápolis, mas já chegaram mortos.

Os nomes dos mortos, bem como outros detalhes da operação, ainda não foram divulgados pela polícia. O que se sabe, até o momento, é que na operação em Cabrália morreram o bandido conhecido como ‘Mavinho’, apontado como participante do assalto na cidade de São José da Vitória que resultou na morte de um policial militar. O outro seria Thiago, irmão do traficante André Márcio de Jesus, o 'Buiu'. Os corpos foram trazidos para o Instituto Médico Legal de Eunápolis. Por conta das mortes, bandidos estão impondo toque de recolher no bairro Mercado do Povo, em Porto Seguro. (Radar64)

Quadro final de medalhas do Pan 2015


Prefeito de Itanagra rebate vice e dispara: ela quer ser prefeita


Com pouco mais de oito mil habitantes, a pequena cidade de Itanagra, localizada a 91 km da capital baiana tornou-se centro de uma polêmica após a vice-prefeita do município, Edileuza Laudano (PMDB), disparar denúncias contra o prefeito Valdir Jesus (PSB). Ao Bocão News, ela revelou mover contra o gestor sete processos de Improbidade Administrativa e Ação Civil Pública e quatro representações junto ao Ministério Público Estadual (MP). 
 
No segundo mandato e na quinta candidatura, o prefeito decidiu rebater as declarações da vice e revelar o cenário da cidade que, segundo ele, pede socorro. "A gente tirava voto um do outro. No final, ela ficou fragilizada e não tinha opção a não ser se aliar a mim. Eu não tenho nada contra ela, mas tudo que ela está fazendo hoje é porque ela quer ser prefeita", afirmou o gestor ao explicar as denúncias de contratos superfaturados, não pagamento de salários e abandono de obras na cidade. "Ela só não tem a caneta. Fora isso, tem todas as regalias. Motorista e um gabinete só para ela. Eu fui vereador e já passei por todos os trâmites da administração. Fui presidente da Câmara e estou com a consciência tranquila. A cidade realmente está com alguns salários atrasados, mas estou buscando resolver", ressaltou.Segundo o pesedebista, a arrecadação do município gira em torno de um milhão e duzentos mil por mês. "Ela deveria ser mais verídica nas explicações porque sabe que a administração passa por problemas financeiros. Pegamos um município que vem há 52 anos com o mesmo sistema. Sucateada e sem nenhuma certidão. Não podemos fazer convênios ou pegar empréstimos. Nem conta nós temos".
 
O prefeito rebateu as acusações de que os postos de Saúde estariam fechados e garantiu que todos estão funcionando. Ele questionou ainda a afirmação da vice de que a receita anual é de R$ 22 milhões. "Chega no máximo a 12 milhões. Na hora do pagamento priorizo os servidores e ela sabe disso. Temos diversas dificuldades e ela poderia aliar-se a mim para resolvermos e não fazer o que está fazendo. Abro, muitas vezes, mão do meu salário e quero que ela prove que está com cinco meses de salário atrasado", rebateu.
 
Gestão
 
As contas de Valdir Jesus (PSB), de competências 2012 e 2013, foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios por várias irregularidades. "Em que pese tal situação, estas contas jamais foram colocadas para votação na Câmara Municipal, eis que a Presidência da referida Casa Legislativa sempre fora ocupada por primos carnais deste prefeito. As contas de 2014 ainda estão pendentes de apreciação pelo TCM", denunciou a vice.
No entanto, o prefeito alega que as contas foram rejeitas por conta dos débitos que o município já possuía. Valdir assumiu nos últimos oito meses do ex-prefeito Percídio Ribeiro dos Santos (PDT).
 
Em 2012, os desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da Bahia decidiram por unanimidade cassar o mandato do prefeito, Percidio Ribeiro e o vice, Carivaldo da Silva Passos. Os dois são acusados de cometer diversas condutas ilícitas na eleição de 2008. 

Planos para 2016 afastam ainda mais PMDB e PT

A eleição municipal do ano que vem deve servir de cenário para o primeiro ato do processo de divórcio entre PMDB e PT. O partido do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e do vice-presidente Michel Temer quer usar as disputas municipais como ensaio geral para a corrida pelo Planalto, em 2018. Por isso, deve ampliar o número de candidatos próprios. Consulta a líderes e dirigentes partidários nos estados mostra que a expectativa é que petistas e peemedebistas se enfrentem em, pelo menos, 13 das 26 capitais. Em 2012, foram só oito duelos entre as duas siglas nessas cidades.
O projeto de independência do PMDB ainda levará à redução das alianças entre os dois partidos. Nas últimas eleições municipais, as siglas estiveram juntas em oito capitais; agora, devem manter a união em, no máximo, quatro. Além disso, os peemedebistas, que apoiaram quatro candidatos do PT em 2012, não têm, no quadro atual das negociações políticas, perspectiva de estar em nenhuma chapa que tenha um petista na cabeça.
De olho na disputa presidencial, o PMDB montou um grupo para viabilizar o maior número possível de candidaturas em 2016.
- As eleições municipais vão servir para alicerçar o nosso projeto de concorrer competitivamente em 2018 - afirma o ex-ministro Moreira Franco, presidente da Fundação Ulisses Guimarães, ligada ao PMDB, e responsável por coordenar o projeto do partido para as eleições municipais.

O líder do partido no Senado, Eunício Oliveira (CE), fala em lançar entre 18 e 20 nomes nas capitais. Em 2012, haviam sido 12 candidatos próprios. - E não tenho dúvida que entre 12 e 15 dos nossos serão candidatos competitivos - diz Eunício, que defende a saída do PMDB do governo federal após as eleições municipais. No PT, a ordem é evitar polêmica com o PMDB.
- Acho legítimo que o PMDB queria construir o seu caminho próprio e imagine que ter muitas candidaturas no ano que vem ajude nesse caminho para 2018 - diz o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

Dentro do partido da presidente Dilma, há quem defenda a necessidade de ampliação do número de candidaturas próprias para que o projeto político da legenda possa ser defendido neste momento de crise do governo federal.

O momento acaba fortalecendo mais o cenário de candidaturas próprias - avalia o secretário de organização do PT, Florisvaldo Souza, para quem o total de candidatos petistas nas capitais capitais pode chegar a 17 (mesmo número de 2012).
O plano de independência peemedebista deve ter um efeito mais direto nos estados de São Paulo, Rio, Minas e Bahia,, tidos como estratégicos por Moreira Franco.

Na capital paulista, o acirramento dos ânimos entre os dois partidos nos últimos meses no plano federal provocou uma mudança do quadro que havia sido traçado pelos petistas. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), havia convidado Gabriel Chalita (PMDB) para assumir a secretaria de Educação do município no começo do ano passado. Pretendia tê-lo como seu vice em 2016, numa tentativa de ampliar o tempo de televisão no horário eleitoral.
Mas, nos últimos dias, dirigentes peemedebistas em São Paulo intensificaram as negociações para o ingresso da ex-petista Marta Suplicy no PMDB. A filiação pode ser ser anunciada nas próximas semanas.
- A Marta está conversando e tem todas as condições de ser uma candidata forte - afirma Eunício. Dirigentes do PT em São Paulo já reconhecem que, no momento, é pouco provável a aliança com o PMDB.
No Rio, a relação, que já era tensa por causa do movimento de um grupo de petistas, liderados pelo ex-governador gaúcho Tarso Genro e pelo senador Lindbergh Farias (RJ), em favor do rompimento da aliança, ficou ainda mais estremecida com a declaração de guerra ao governo de Eduardo Cunha, um dos principais nomes do partido no estado. O presidente do PT fluminense, Washington Quaquá, ainda trabalha para reverter o quadro e manter a parceria na disputa do ano que vem. O prefeito Eduardo Paes (PMDB) planeja lançar o secretário de Coordenação de Governo da prefeitura, Pedro Paulo, como candidato à sua sucessão.
Em Salvador, o PMDB negocia a filiação do prefeito da cidade, ACM Neto, hoje no DEM. Mesmo que a transferência não se concretize, os peemedebistas devem apoiar a sua reeleição. Já o PT planeja ter um candidato próprio.

Fonte: O Globo

Zagueiro do Serrano morre em acidente de moto

O zagueiro do Serrano, Agnério Júnior, morreu em um acidente de moto na madrugada deste domingo (26), na BR 367, próximo ao município de Santa Cruz Cabrália, no Sul da Bahia. Além do jogador, mais duas pessoas também faleceram.
Com 20 anos, o defensor fazia parte do grupo de atletas do Serrano que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro. Agnério estava treinando com o elenco principal do time baiano, mas não estaria em campo no jogo deste domingo (26), contra o Estanciano, em Porto Seguro, pela terceira rodada da competição nacional.
Através de uma nota, o Serrano lamentou o fato. Confira o comunicado na íntegra:
“Com muito pesar que comunicamos o falecimento do zagueiro Agnério Junior em um grave acidente na madrugada deste domingo (26). A diretoria do clube porto-segurense e atletas lamentam a perda precoce do atleta de apenas 20 anos.
A equipe que entra em campo na tarde deste domingo (26) está de luto e levará no seu uniforme uma tarja preta no peito. O presidente do clube José Alfredo solicitou à coordenação da CBF responsável pela partida entre Serrano e Estanciano um minuto de silêncio".

Dia do Motociclista é celebrado com mais de 1,5 mil motos em Lauro de Freitas

Neste domingo (26), o Dia Nacional do Motociclista foi celebrado com um Moto Passeio em Lauro de Freitas, sentido Avenida Paralela. Foram mais de 1,5 mil motos acompanhadas em escolta do 6º Batalhão da Polícia do Exército, do Esquadrão de Motociclistas Águia PM, da Transalvador, da Guarda Municipal, do Grupo Especializado dos Bombeiros Militares e do Detran. Um trio elétrico também acompanhou o grupo com mensagens da campanha de conscientização de pilotagem.

São Gonçalo: prefeitura muda festa de aniversário da cidade para a rodoviária


As comemorações da emancipação política de São Gonçalo dos Campos, a 78km de Salvador, terá novo local para a realização da festa na próxima terça-feira (28). Tradicionalmente realizada no centro da cidade, este ano, a prefeitura mudou o local para a rodoviária do município. No entanto, apesar de satisfazer a uns, outros munícipes não gostaram da mudança. No WhatsApp do Bocão News, fotos chegaram com a reclamação de desordem no local, neste domingo (26).
É possível perceber que algumas barracas foram montadas nas vagas dos ônibus. Contudo, o prefeito Antônio Dessa (PMDB) explicou ao Bocão News, que a mudança não atrapalha o fluxo do transporte, já que estão desembarcando ao lado da rodoviária. “O local foi escolhido justamente para não atrapalhar e incomodar os moradores. Antes fazíamos no centro, mas por pedido da associação comercial da cidade evitamos fazer lá”, afirma. O gestor ainda explica que a rodoviária não ficará interditada durante a festa. “São poucos ambulantes, apenas alguns isopores. Não vai atrapalhar o andamento do local”, garante.
Para a festa, serão disponibilizados cerca de 300 profissionais para a segurança dos foliões, entre policiais civis, militares e particulares. O aniversário da cidade contará com shows de Bell Marques, Aviões do Forró, Harmonia do Samba e Patchanka.

Análise de contas de governos deve ser prioridade em retorno do Congresso


Na volta do recesso parlamentar, em agosto, um dos desafios de deputados e senadores será colocar em dia a apreciação das contas de presidentes da República. Há 11 anos consecutivos, o trabalho, que deveria ser anual, não é feito. No que depender da disposição dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), essa pauta será prioridade na retomada dos trabalhos após o recesso branco, no dia 3 de agosto. O compromisso foi feito, na última semana, com o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU).

Mesmo sem poder para aprovar ou reprovar definitivamente as contas do Executivo, por ser um órgão de fiscalização auxiliar do Congresso, o TCU tem o dever enviar anualmente um parecer ao Parlamento com a análise da atuação e do cumprimento de regras e leis pelo presidente e seus ministros. A partir daí, deputados e senadores ficam responsáveis pelo julgamento.
No Congresso, o parecer do TCU vai direto para a Comissão Mista de Orçamento (CMO), onde o relator designado tem até 40 dias para entregar o parecer. A partir daí, os congressistas têm 15 dias para apresentar emendas e o relator, mais 15 para elaborar o texto final de um projeto de decreto legislativo. Em seguida, o projeto passa por dois turnos de votação nos plenários da Câmara e do Senado, que revezam o início da análise dos pareceres.
De 1990 a 2013, há contas de 15 anos dependendo de análise no Congresso. São prestações dos governos Collor, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Como não há exigência regimental de que elas sejam analisadas cronologicamente, contas referentes a alguns anos desses governos foram votadas, no mesmo mandato, outras não. Em agosto, deve entrar na fila o parecer do TCU relativo ao ano de 2014 da presidenta Dilma Rousseff.
Nos últimos anos, tem sido comum a recomendação da aprovação das contas do Executivo com ressalvas. A única vez em que o TCU deu parecer contrário à aprovação foi em 1937, quando analisou as contas do governo de Getúlio Vargas referentes ao ano de 1936 . À época, o então presidente baixou um ato administrativo afastando o ministro Thompson Flores das funções no tribunal. Já a Câmara dos Deputados, por meio de um decreto legislativo (101/37), aprovou as contas de Vargas, na contramão do que indicou o TCU.
Depois disso, o Congresso só não acompanhou uma recomendação do TCU, em 1992. Naquele ano, a corte foi favorável à aprovação das contas de Fernando Collor do período de janeiro a setembro. Na CMO, os parlamentares decidiram rejeitar as contas. A decisão aguarda votação nos plenários da Câmara e do Senado até hoje.
No ano passado, o tribunal alertou o Palácio do Planalto sobre um possível parecer pela rejeição das contas de 2013 da presidenta Dilma, mas, em parecer final, a corte recomendou a aprovação com ressalvas. Este ano, antes de emitir o parecer sobre as contas de 2014, o TCU pediu explicações sobre indícios de descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e da Lei Orçamentária Anual na prestação de contas. As justificativas foram entregues ao tribunal na semana passada pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e estão sob análise.